Mudar de casa, um passo importante

comprar casa

Existem alturas na vida em que precisamos crescer, tomar decisões e dar alguns passos importantes. E passados 2 anos a viver com o meu namorado este será com certeza um passo gigante.

Decidimos finalmente comprar o nosso primeiro ninho. É verdade, compramos a nossa primeira casa e a felicidade é gigantesca

A nossa primeira casa foi em Portugal. Passado um ano deixamos tudo e fomos para a Grécia (aqui) para outra e tudo continuou fantástico. Isto de alugar é espetacular porque quando há problemas nem somos nós a resolver. Basta uma chamada ao senhorio e ele resolve. Não há há impostos a pagar. Não há seguros chatos e caros, nem outros afins. Mas tudo na vida tem um senão e aqui não há excepção. A parede que não gostamos não a pintamos quando queremos, não trocamos a cozinha e pomos ao nosso gosto, nem tão pouco podemos pôr o quadro que queremos na parede porque o senhorio não deixa, etc, etc. Além disso, sou um pouco antiquada e as ideias e palavras dos meus pais sempre me ficaram na cabeça (e com razão). Queiramos ou não, a verdade é que pagamos meses a fio uma renda e aquela casa nunca será nossa. No fim vimos embora e o máximo que trazemos e um conjunto de móveis e pertences. Nada e nosso. Perdemos uns quantos euros e continuamos sem nada.
Felizmente, e para felicidade minha e dos meus pais, o meu namorado pensa da mesma forma e então que começou a nossa busca da casa perfeita.

A ideia já pairava na cabeça a imenso tempo e a pesquisa já levava alguns meses mas a distância impossibilitava-nos de ver o que quer que fosse ao vivo. Mas assim que chegamos a Portugal começou a aventura cronometrada e a correria que eu vos falei anteriormente. Entre férias, muitas visitas a amigos e familiares, andamos feitos loucos a ver casas e apartamentos (e outras coisas, que vos conto adiante).
Havia casas para todos os gostos. Havia as minúsculas e clostrofóbicas. Com preços astronómicos e casas demasiadamente grandes. Aquelas no sítio mais longínquo do mundo. Casas sem varanda ou sem garagem. E tudo o que mais possamos imaginar aparece nestas alturas difíceis.

E eis que a meio mês de Junho entramos naquela que será agora a nossa casinha. Foi amor a primeira vista e bastou uma troca de olhares para sabermos que seria aquela. Saímos de lá praticamente com tudo acertado e começamos imediatamente a parte mais aborrecida e demorada – a burocracia toda.

E hoje, depois de muitos quilómetros nas pernas e muita papelada à mistura o mais importante é que já tenho as chaves na mão e tudo resolvido. Haja alegria 🙂 E uma casa recheada de coisas boas também!

 

 

 

Artigos relacionados

Sintra, um verdadeiro conto de fadas O tempo tem passado a mil e entre milhentas coisas para fazer esta semana tirei uns dias para conhecer mais um cantinho português. Sintra, conhecida d...
Imperdíveis dos Açores Continuo pelos Açores, mais precisamente pela ilha de São Miguel e continuo também sem palavras com tamanho paraíso português! A tranquilidade, as pai...
É hoje… Sim, é verdade. O que ansiei anos e anos tornou-se hoje real. Hoje, mais que nunca quero partilhar convosco um pouco do meu conhecimento (e grande p...
Quinta-feira particular Nunca fui apaixonada pelas quintas-feiras, confesso. Embora fosse o dia mais próximo da sexta-feira, que já incluímos como fim-de-semana, sempre foi o...

Deixe uma resposta